Livros não mudam nem o mundo, nem as pessoas

quarta-feira, 22 de maio de 2013

"A leitura muda as pessoas"

Essa e outras frases como "livros mudam o mundo" são espalhadas afim de incentivar a "bibliocultura".

Permitam-me discordar. A leitura não muda ninguém, muito menos o mundo.



Calma, explico:
a leitura por si só não muda nada. É importante entender que se eu ler apenas por ler, devorar enciclopédias e bulas de remédio, posso obter conhecimento para exibir em conversas de Facebook, me tornar uma mera repetidora de ideias e crenças, uma replicante de ideologias antigas e batidas. Mas se eu for questionada e contrariada de forma imprevistas nos livros que li, não saberei rebater, nem defender o que penso e acredito.

Então sugiro uma alteração nesse adágio da nossa cultura. Substituamos todas as citações de "A leitura muda as pessoas" para "A reflexão da leitura muda as pessoas". Onde se diz "Livros mudam o mundo", que se rasure e substitua por "A reflexão sobre os livros mudam o mundo".

Pois não há nada que antigos (e novos) autores possam fazer além lhe doar suas palavras, mas elas são fruto da reflexão deles. O que muda as pessoas é refletir como os livros impactam suas próprias vidas. Como enxergar a obra que estou lendo? Como ela afeta minha vida, minhas filosofias, minhas crenças... minha existência?

Se a obra que está lendo não lhe oferecer esse tipo de questionamento, não se preocupe. Termine de ler. Mas saiba que existem livros que podem virar seu espirito do avesso, caso você lhe dê a permissão de inserir dentro de si os questionamentos inerentes à obra.

A melhor herança de um autor, ou qualquer pessoa, não são suas ideias, frases para postar no Facebook, respostas e soluções para o mundo. São suas inquietações e questionamentos. Faça com que sejam seus, também. Se todos fizermos isso, teremos menos certezas, maiores buscas incansáveis e, talvez, o mundo realmente mude algum dia.

E quando isso acontecer, não pense que o livro te mudou. VOCÊ mudou a si mesmo.

Estou certa? Errada? Pretensiosa? Reflita você, antes de tirar conclusões, concordar ou discordar. Reflita se minha filosofia serve para você, se faz sentido na sua vida, no seu mundo. Foi pensando assim, que fiz esse post discordando da frase da imagem acima, dita pelo imortal Mario Quintana*.

*Há quem diga que a frase foi dita por Caio Graco, mas acho que esse é um debate que nunca chegará a um consenso.

4 comentários:

  1. Dizem que as mentes mais brilhantes da humanidade estavam em constante tormento porque talvez nunca estivessem satisfeitos, saciados, pois que um questionamento sempre desencadeava outros questionamentos. Talvez conseguissem observar o mundo, as pessoas de uma forma a qual nós pobres mortais jamais poderíamos imaginar.
    Acredito que ler e absorver esta inquietude, este senso critico, este desejo de romper com as realidades que nos cercam seria o legado de todos que resolvem deixar para posteridade sua insatisfação, sua forma não robotizada de viver, a quebra de paradigmas...
    As grandes mentes que construíram e constroem nosso mundo não gostariam de ver suas idéias apenas repetidas ao longo da história, mas sim que elas sejam fontes de inspiração para criação do novo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. Mas não podemos cair no erro de achar que apenas as "grandes mentes" tem potencial para tal. Eles se tornam grandes por terem essas práticas, e não o contrário ^^

      Excluir
  2. Adorei. Quebrou totalmente os estereótipos das pessoas "jabazaentas" aderentes à cultura de séries.

    ResponderExcluir